HOMENAGEM A PADRE FONTES

Sábado passado, o Ecomuseu de Barroso assinalou 80 anos do padre Fontes com a abertura da exposição permanente Alma Mater, que retrata o percurso de vida de vida do padre António Lourenço Fontes, o sacerdote mais célebre do país: a componente   humana e religiosa, a veia jornalística e literária, o seu trabalho antropológico e etnográfico. Nesta exposição, desvenda-se o homem, o cidadão irreverente, o polemista, o embaixador de Barro, o religioso.

Na sua alocução o presidente da Câmara Municipal, Orlando Alves, mostrou a sua satisfação por o padre Fontes ter desvendado alguns dos seus segredos: estiveram presentes, nesta homenagem, todos os que sempre conhecemos o padre Fontes como ele sempre foi e realmente é.”  E mais adiante: “Ficaria muito grato e honrado que o padre Fontes ofertasse à comunidade o seu espólio. Será a única forma de preservar a memória de um homem brilhante, simples, de alma grande. Tudo faremos para nunca o esquecer, mas gostaríamos de tocar as suas coisas. O seu legado deve ser trabalhado, protegido e até incluído no Arquivo Municipal ou na Biblioteca Municipal. Espero, também, ser bem-sucedido no desafio que lancei à Presidência da República a para a condecoração desta figura impar do Barroso”. D. António Augusto Azevedo, por sua vez, disse: “foi com um enorme gosto que estive presente na celebração do 80.º aniversário do padre Fontes.

É uma figura incontornável desta região. É alguém muito especial e irreverente. Apresenta um longo historial e nunca esqueceu as suas origens demonstrando uma grande ligação ao seu concelho que traz sempre no coração».